Conteúdos > Notícias

Gestão eficiente e transparência do setor florestal rumo à sustentabilidade

Publicado em 17 de Setembro de 2021
Fundado em 2004, Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso (CIPEM) é o resultado da união de oito sindicatos patronais do Setor de Base Florestal.  Desde o início de suas atividades o seu objetivo sempre foi o de organizar e fortalecer o setor de base florestal nativa, através do incentivo à produtividade e o consumo consciente de madeira e seus subprodutos de forma sustentável, com respeito a legislação vigente e em harmonia com o meio ambiente.

O Cipem, respeitando os princípios éticos e constitucionais, vem a público trazer à baila a segurança de se fazer a gestão de uma instituição pautada pela transparência dos atos representativos e na clareza do seu balanço social, econômico e financeiro.  O entendimento de toda Diretoria é de que esse princípio seja sempre respeitado por qualquer gestor, e o formato com que essa transparência é apresentada faz toda diferença no quesito confiabilidade.

Não é demais informar que as ações empreendidas pelo Cipem dizem respeito principalmente a promoção e ao aprimoramento das técnicas que norteiam a atividade do setor de base florestal, por meio do Manejo Florestal Sustentável desempenhado em Mato Grosso, estando, portanto, alheio a questões políticas ou antidemocráticas.

Para o desenvolvimento sustentável da atividade de base florestal de Mato Grosso, envolvendo os mercados interno e externo, antes, fazemos o “dever de casa”, investimos em pesquisas científicas que garantem a perenidade da floresta nativa, considerando o estoque florestal pertinente de cada espécie comercial utilizada.

O mercado adquire produtos florestais com a confiança da garantia de origem lícita, e a contribuição do Cipem, atuando em parceria com órgãos de comando e controle, com foco no aperfeiçoamento de sistemas que permitam a rastreabilidade da produção é um grande exemplo de investimento de recursos com transparência, em prol do setor de base florestal. Esse é o desempenho esperado de uma instituição representativa de um segmento econômico.

Neste sentido, o CIPEM promove ações de desenvolvimento e disseminação do Manejo Florestal Sustentável, além de promover constante capacitação da gestão florestal, levada aos associados e executivos sindicais em todo o Estado.

Conheça o Centro das Indústrias Produtoras e Exportadoras de Madeira do Estado de Mato Grosso – CIPEM e sua relevante contribuição para o crescimento sustentável do setor de base florestal mato-grossense, por meio de um trabalho sério, transparente e íntegro.
ÁREA TÉCNICA E PESQUISA CIENTÍFICA EM PROL DO SETOR DE BASE FLORESTAL
O Cipem incentiva a realização de pesquisas científicas que envolvam o Manejo Florestal Sustentável, alicerce das atividades do setor, para aprimorar os processos, buscando sempre o respeito ao meio ambiente e às legislações vigentes. Desse modo, o fortalecimento dos laços entre o Cipem, Universidades e Instituições de pesquisa é uma constante que além dos benefícios socioeconômicos, auxiliam na desconstrução de conceitos errôneos preestabelecidos e que prejudicam a imagem dos produtos florestais madeireiros, cuja cadeia produtiva gera hoje aproximadamente 90 mil empregos e é responsável pela conservação de aproximadamente 4 milhões de hectares de floresta nativa em solo mato-grossense.

Por meio da pesquisa científica é possível encontrar respostas para as mais diversas questões envolvidas com o meio ambiente, entendendo sua dinâmica de maneira mais fiel, e contribuindo para a elaboração e/ou revisão de atos normativos.

O Cipem participa ativamente das seguintes ações:

  • Câmara Técnica Florestal (SEMA/MT): O Cipem é responsável pela coordenação da CTF desde 2014, com relevante atuação para a publicação de normas relacionadas ao setor de base florestal, como por exemplo, as publicações mais recentes:


  •  

 

  1. alteração do fator de conversão de resíduos para cavacos para 1,33

  2. regulamentação do ajuste de saldo por consumo

  3. regulamentação do transporte com veículo sem emplacamento obrigatório

  4. comercialização interestadual de resíduos em regiões fronteiriças


  5.  

 

  • Embrapa: A Embrapa Florestas é uma unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária que, desde sua criação em 1978, tem colocado à disposição do setor florestal brasileiro um número significativo de tecnologias que permitem melhor eficiência produtiva, aumento da oferta de produtos florestais, sempre se balizando pela conservação do meio ambiente.


  •  

 

  1. desenvolvimento de um software de apoio na tomada de decisões de gestores florestais, com inserção de variáveis para cada espécie sobre a estrutura da população, o padrão de crescimento e a análise econômica, visando otimizar produtiva e financeiramente o manejo de Apuleia leiocarpa, Handroanthus impetiginosus e Handroanthus serratifolius.

  2. estudo para averiguar a situação atual das espécies de Ipê no que tange os dados qualitativos e quantitativos da espécie na Amazônia Legal presente no território brasileiro.


  3.  

 

  • UFMT: A parceria com a Universidade Federal de Mato Grosso tem como finalidade, além de subsidiar a tomada de decisões relacionadas ao meio ambiente e o setor de base florestal, visa também a aproximação com os futuros profissionais e formadores de opinião.


  •  
 

  1. Faculdade de Engenharia Florestal (FENF/UFMT): Os trabalhos mais recentes incentivados financeiramente pelo Cipem à FENF são: “Propriedades energéticas de resíduos da indústria madeireira de Mato Grosso”, e “Monitoramento da dinâmica florestal em uma área de manejo florestal sustentável na Amazônia Mato-grossense.

  2. Faculdade de Arquitetura (FAET/UFMT): Criação de uma disciplina optativa de “Arquitetura em Madeira”, com o intuito de contribuir com a formação e embasamento de aspectos teóricos e práticos para a produção de projetos arquitetônicos com a madeira nativa como protagonista.


  3.  

 

  • ABNT: O Cipem é associado da ABNT e participa de comissões de estudo que vão desde o manejo florestal até os produtos e subprodutos de origem florestal, e os processos construtivos. Seguem abaixo as comissões em andamento:


  •  

 

  1. ABNTCE-31:000.02, que visa padronizar a madeira serrada utilizada para construção civil

  2. ABNT - ABNT/CEE-103, revisão das Normas da ABNT que estabelecem os princípios, critérios e indicadores para o manejo florestal sustentável (nativas) e de Cadeia de Custódia


  3.  

 

  • Conselho Gestor de REDD+ (SEMA/MT): O Cipem ocupa uma das doze cadeiras do conselho gestor do Sistema Estadual de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal, Conservação, Manejo Florestal Sustentável e Aumento dos Estoques de Carbono Florestal (REDD+), que trabalha para promover a redução progressiva, consistente e sustentada das emissões de gases de efeito estufa decorrentes de desmatamento e degradação florestal.


  •  

 

  • Fórum Mato-grossense de Mudanças Climáticas (FMMC): O Cipem é uma das instituições que compõem o FMMC, que é um órgão consultivo, instituído pela Lei nº 9.111, de 15 de abril de 2009, com o objetivo de conscientizar e mobilizar a sociedade Mato-grossense sobre o fenômeno das mudanças climáticas e assegura a sua participação no planejamento das ações de mitigação, adaptação e identificação de vulnerabilidades.


  •  

 

  • Conselho Temático de Meio Ambiente (CONTEMA/FIEMT): O Contema é formado por empresários e representantes de entidades industriais, órgãos públicos, privados e instituições governamentais, que tem por objetivo atuar e propor medidas sobre questões ambientais de interesse da indústria mato-grossense. Atualmente fazem parte do Conselho vinte instituições, incluindo o Cipem.


  •  

 
CAPACITAÇÕES PARA A CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE BASE FLORESTAL

  • Cipem em ação: esta agenda tem por finalidade o fortalecimento do associativismo junto aos Sindicatos empresariais que compõem o Cipem, por meio de visitas realizadas em todas as bases de associados, para apresentar os trabalhos em prol do setor de base florestal concluídos ou em andamento, bem como captar suas novas demandas, por meio de amplo e aberto diálogo, primando pela transparência das ações e estímulo ao desenvolvimento sustentável.


  •  

 

  • Curso de Secagem da Madeira: o curso faz parte de uma ação de busca por soluções inovadoras, pelo treinamento com a tecnologia de secagem mecânica de madeiras, que é tendência de vendas tanto dentro, quanto fora do país.


  •  

 

  • Encontro de Executivos do Setor de Base Florestal: também chamado de Enesf, é um evento que ocorre desde 2011, em parceria com os Sindicatos associados, e tem o intuito de capacitar, reciclar e atualizar os executivos sindicais para os assuntos que englobam as atividades do setor de base florestal, visando a melhoria contínua dos processos de produção e de inserção de produtos florestais madeireiros no mercado nacional e internacional.


  •  

 

  • Manual de Procedimentos de Estocagem, Medição e Fiscalização de Produtos Florestais: foi construído a partir da comunhão entre o setor privado e órgãos públicos ambientais, reúne as orientações de boas práticas de gestão do setor de base florestal, tendo sua última versão atualizada em 2021, para acompanhar as recentes alterações dos atos normativos que regulam as atividades do setor.


  •  

 

  • Capacitação em Gestão Florestal: este workshop, criado especificamente para o setor de base florestal, teve o objetivo de melhorar o conhecimento, as práticas e o atendimento da legislação vigente para a atividade, contando com a parceria da SEMA/MT, do Ibama e da Associação Mato-grossense dos Engenheiros Florestais (AMEF).


  •  

 

  • Madeira 4.0: Esta parceria realizada com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE-MT) deu origem ao programa Madeira 4.0, com o objetivo de promover o aumento da competitividade dos negócios do setor de base florestal, tendo como foco a sustentabilidade ambiental, econômica e social dos empreendimentos madeireiros. O programa tem suas atividades alicerçadas em quatro áreas estratégicas: desenvolvimento da gestão empresarial, melhoria da qualidade de processos e produtos, fomento e ampliação da participação das empresas madeireiras no mercado, e fortalecimento da governança dos sindicatos empresariais, ligados ao setor de base florestal.


  •  

INOVAÇÃO DE PROCESSOS E PRODUTOS E PROSPECÇÃO DE MERCADO PARA PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS

  • Dia na Floresta: este evento tem o objetivo de mostrar, na prática, como é o cotidiano do manejo florestal sustentável, uma atividade que é a base econômica de 44 municípios Mato-grossenses. Em suas duas primeiras edições (2018 e 2019), o público-alvo foi formado por representantes dos poderes públicos do executivo, legislativo e judiciário que interagem com essa cadeia produtiva ou com o tema ambiental. A terceira edição do evento pretende incluir personalidades do jornalismo, pois os veículos de comunicação são essenciais para o combate da disseminação de notícias falsas, tendenciosas e de sentido deturpado que prejudicam o setor de base florestal mato-grossense.


  •  

 

  • Memorando de Entendimento Cipem e IDH Trade: a parceria com a Iniciativa para o Comércio Sustentável (IDH) tem o objetivo de promover e valorizar o setor de base florestal de Mato Grosso, desenvolvendo, continuamente, a cadeia de valor do setor perante o Brasil e o mundo. A ação tem quatro pilares centrais: suporte técnico e financeiro para a criação de um Sistema de Registro de Gestão Florestal Digital; intercâmbio de conhecimento, com visitas técnicas e eventos itinerantes; estudo de viabilidade e operacionalização de um selo de sustentabilidade que atenda a legislação brasileira e protocolos internacionais; e o desenvolvimento de estratégias de comunicação para melhoria de imagem e acesso a novos mercados para os produtos florestais madeireiros oriundos de áreas de Manejo Florestal Sustentável.


  •  

 

  • Mídias Sociais: o investimento na divulgação de informações que retratam a importância e o real sentido do Manejo Florestal Sustentável – que é manter a floresta viva - tem sido mais expressivo e constante nos últimos anos, buscando alcançar toda a sociedade, para isso, foram intensificados os investimentos em veiculação em rádios, TV’s, revistas, jornais e redes sociais. Com esta ação está sendo possível desmistificar preconceitos existentes com a atividade em si e com a origem dos produtos florestais madeireiros, em especial os da Amazônia Legal, ratificando sua procedência e legalidade, o que tem melhorado a imagem do setor perante a opinião pública.


  •  

 

  • Florestal tech: o evento de negócios florestais Florestal Tech traz à luz os desafios e as novas tecnologias disponíveis para o setor de base florestal de Mato Grosso, e contribui para uma nova visão da sociedade em relação ao uso da madeira tropical. Na programação também são inseridas rodadas de negócios e palestras sobre a atividade de manejo florestal, o cotidiano das indústrias, e os benefícios do uso da madeira em processos construtivos. A 1ª edição ocorreu em Cuiabá/MT, no Centro de Eventos do Pantanal, a 2ª edição foi em São Paulo/SP, durante a Formóbile, a 3ª edição aconteceu em Bento Gonçalves/RS, durante a FIMMA. A 4ª edição do evento ultrapassará as fronteiras brasileiras para levar a madeira tropical da Amazônia Mato-grossense até a Europa, na feira Carrefour International du Bois, em Nantes/FR.


  •  

 

  • Casa Cor: o Cipem, com o objetivo de divulgar os produtos florestais madeireiros, participou do evento CasaCor com a apresentação de um estande pré-fabricado em madeira amazônica, onde se demonstrou toda a riqueza e potencialidades das espécies madeireiras manejadas em Mato Grosso. O projeto e a execução do estande tiveram como premissas a utilização de sistemas estruturais em madeira com racionalização construtiva, permitindo rápida montagem e desmontagem. A inovação do estande foi reconhecida internacionalmente, e o CIPEM conquistou o Prêmio “International Green Apple Environment 2021”, que premia iniciativas que demonstram compromisso ambiental e boas práticas ambientais.

  • Produção Florestal em Evidência: o evento surgiu como uma estratégia para ampliar as fontes de matéria-prima disponível ao setor de base florestal, mediante parcerias com os produtores rurais que possuem áreas de Reserva Legal aptas para realização do Manejo Florestal Sustentável, e que ainda não estão aproveitando esta importante fonte de retorno econômico, social e financeiro, ou seja, que é 100% sustentável. É importante frisar que a ampliação de áreas sob regime de manejo florestal está alinhada com as metas de Governo, estabelecidas pelo Instituto Produzir, Conservar e Incluir (PCI), que pretende aumentar as áreas manejadas do Estado de Mato Grosso para 6 milhões de hectares até 2030.


  •  

 

PREVENÇÃO DA PROPAGAÇÃO DO COVID-19 E SUSTENTABILIDADE DOS EMPREENDIMENTOS FLORESTAIS

A fim de promover, de forma coordenada, ações que visassem a sustentabilidade dos empreendimentos integrantes da cadeia produtiva do setor de base florestal, bem como a preservação da saúde e do bem-estar dos trabalhadores das empresas e sindicatos associados, o CIPEM desenvolveu um Plano de Contingência para o enfrentamento das crises sanitária e econômica geradas pelo coronavírus.

As ações do CIPEM, em apoio ao Setor de Base Florestal de Mato Grosso, frente aos impactos desta pandemia foram:

  • plano de ação com diretrizes para o Setor de Base Florestal, de modo a orientá-lo sobre implementação de medidas de prevenção a propagação do COVID 19;

  • acompanhamento, por profissional capacitado, dos pronunciamentos e medidas dos governos federal, estadual e municipal, selecionando os temas impactantes para ao setor, inclusive mantendo controle da publicação destas no Diário Oficial;

  • repasse imediato as bases sindicais de informações e orientações necessárias para atendimento aos associados quanto as dúvidas para implementação das medidas governamentais de enfrentamento da pandemia;

  • abertura de canal de comunicação nas esferas federais, estaduais e municipais para estabelecer meios para manutenção das atividades empresariais;

  • criação de modelos e materiais de comunicação para atender as exigências governamentais, possibilitando implementar as diretrizes estabelecidas para o Setor de Base Florestal, em documento próprio, para prevenção da propagação do COVID 19;

  • confecção e distribuição de mais de 60 mil máscaras de tecido reutilizáveis.


  •