Conteúdos > Notícias

Estudo da ONU evidencia expressão do MFS: Brasil é líder mundial em conservação florestal

Publicado em 30 de Junho de 2021
Conhecido por sua notória dimensão territorial, o Brasil também lidera o ranking de países que mais possuem áreas de proteção florestal no mundo. A informação é da ONU e foi amplamente replicada pelos principais veículos jornalísticos após a recente divulgação do estudo sobre Áreas Protegidas no Planeta, desenvolvido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Unep (Protected Planet Report). Outra fonte utilizada foi o artigo “O Campeão da proteção florestal”, de autoria do doutor em Ecologia e chefe-geral da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda para a Revista Oeste, que também faz alusão ao mencionado estudo da Unep.
Com o intuito de ampliar a precisão dos resultados, o Relatório Oficial constatou as diferentes classificações de unidades de conservação da natureza utilizadas por países em todo o globo. No caso do Brasil, por exemplo, foram considerados os dados relativos às extensões territoriais das Unidades de Conservação (UCs) e das faixas territoriais indígenas, que representam cerca de 30% do território brasileiro, conforme apontou a pesquisa. Em números, o índice é de 2,5 milhões de quilômetros conservados distribuídos em 2.741 áreas em todo o país. Uma média quase três vezes superior ao desempenho de outros países de grande extensão territorial, como a Rússia (11%), a China (15,5%), o Canadá (10%), a Austrália (20%) e os Estados Unidos (12%).
Além disso, outro dado bastante valioso e ressaltado pelo Dr. Evaristo, em consonância com o estudo da Unep, diz respeito às características das áreas de conservação em outros países: boa parte das zonas protegidas se localizam em terrenos marginais, como desertos desabitados, regiões polares e montanhas inaptas à habitação humana. Em contrapartida, no caso brasileiro, a maioria das áreas protegidas se constitui de terras com grandioso potencial econômico, especialmente para o desenvolvimento de atividades agropecuária, mineral e madeireira.
Diante do exposto, é correto afirmar também que o Brasil é a nação que mais se dedica à conservação da vegetação nativa. No entanto, longe de ser conhecido e reconhecido pelo feito, o Brasil costuma ser alvo de duras críticas, conforme reforçado pelo Dr. Evaristo em seu artigo:
Paradoxalmente, o Brasil é o campeão de condenações em tribunais ambientalistas e midiáticos. E alvo constante de críticas por parte de países e organizações estrangeiras. Eles [países estrangeiros] exigem maior proteção para as florestas brasileiras, em patamares jamais sonhados no próprio território.
Dessa forma, o desempenho brasileiro é exemplar se consideradas também as proporções: ocupação territorial no globo terrestre e o percentual dedicado à conservação da vegetação nativa, também em escala mundial. O Brasil ocupa cerca de 6% das terras continentais e possui 12% das áreas protegidas existentes, saldo positivo que o sentencia simultaneamente, como o quinto maior em extensão territorial e o primeiro colocado em proteção florestal.
Nesse sentido, consideramos válido salientar o papel do Manejo Florestal Sustentável (MFS) para a conservação das florestas nativas. O Cipem entende a relevância dos dados apresentados e percebe o MFS como principal agente ativo na missão de manter a floresta nativa em pé e consequentemente, na tarefa de garantir a manutenção da vida e da biodiversidade.
O Setor de Base Florestal por meio do MFS, proporciona a produção alinhada e em equilíbrio com o meio ambiente, fornecendo por meio da colheita inteligente e em consonância com as leis, produtos essenciais à sociedade. Por este motivo, o Cipem visa incentivar o desenvolvimento de pesquisas científicas que reforcem a relevância da atividade no contexto regional, nacional e internacional, bem como tem o interesse em compartilhar resultados aprofundados de estudos com validação acadêmica que desenvolvam temas pertinentes.
 

Texto: Giovana Giraldelli